Biblioteca Virtual em Saúde

echagas

Trajetória

Um notável talento para a medicina

1905

No dia 10 de agosto, nasceu no Rio de Janeiro Evandro Serafim Lobo Chagas, filho de Carlos Chagas e Iris Lobo Chagas.

1921

Ingressou na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, realizando seu período de internato no Hospital Oswaldo Cruz – rebatizado mais tarde com seu nome – e no Hospital São Francisco de Assis. Os orientadores eram Carlos Chagas e Eurico Villela.

1926

Assumiu a chefia do Serviço de Radiologia e Eletrocardiograma e de uma enfermaria do Hospital de Manguinhos. Com a nomeação de seu pai para a cátedra de medicina tropical da Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, Evandro Chagas passou a assistente desta cadeira. Nesta época, preparou sua tese de livre-docência: ‘Forma cardíaca da tripanossomíase americana’.

1930

Tornou-se chefe da Secção de Patologia Humana do Instituto Oswaldo Cruz. Evandro Chagas desenvolveu importantes trabalhos sobre febre amarela, malária, ancilostomose, o beriberi, leishmaniose visceral americana, descobrindo os primeiros casos humanos dessa última e ainda a pesquisou nos estados do Amazonas, Pará, Piauí, Ceará, Pernambuco, Alagoas, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e no Chaco Argentino e, principalmente a miocardite provocada pelo Trypanosoma cruzi. Evandro era um profundo conhecedor de radiologia e eletrocardiografia, exerceu a clínica especializada no Rio de Janeiro, sendo um dos primeiros a fazer exame complementar eletrocardiográfico.

1936

Como diretor do Hospital Oswaldo Cruz, criou uma seção móvel de pesquisa aplicada às grandes endemias nacionais para a qual organizou e instalou, o Instituto de Patologia Experimental do Norte (IPEN), em Belém do Pará. Este Instituto funcionaria como uma filial do Instituto Oswaldo Cruz, recebendo financiamento de Guilherme Guinle. Realizou em conjunto com a Delegacia Federal de Saúde da 2ª Região, o levantamento epidemiológico da malária no vale do Amazonas, sobre o qual se apoiaria a campanha federal de saneamento. O Serviço de Estudos de Grandes Endemias teve grande progresso.

1940

No auge de sua atividade científica e aos 35 anos de idade, faleceu em um acidente aéreo no Rio de Janeiro. Por ironia do destino, ele morreu no mesmo dia do admirado pai, falecido no dia oito de novembro de 1934, seis anos antes. No mês seguinte, no dia 2 de dezembro, o Ipen passou a ser oficialmente denominado de Instituto Evandro Chagas, em homenagem ao seu fundador.

Títulos

•    Interno do Hospital Osvaldo Cruz, 1921-1926.

•    Médico pela Faculdade de Medicina da Universidade do Rio de Janeiro, em 1926.

•    Radiologista contratado do Instituto Oswaldo Cruz, 1928.

•    Adjunto de Assistente contratado do Instituto Oswaldo Cruz, 1928.

•    Professor contratado de Clínica de Doenças Tropicais e Infectuosas da Escola de Medicina e Cirurgia do Instituto Hanemaniano do Rio de Janeiro, 1928.

•    Livre docente da Universidade do Rio de Janeiro, Cadeira de Clínica de Doenças Tropicais e Infectuosas da Faculdade de Medicina, 1931.

•    Chefe de Laboratório do Instituto Osvaldo Cruz, em serviço no Hospital de Doenças Tropicais e Infectuosas, 1931.

•    Assistente efetivo do Professor Carlos Chagas, na Cadeira de Clinica de Doenças Tropicais e Infectuosas da Faculdade de Medicina da Universidade do Rio de Janeiro.

•    Livre docente de Clínica de Doenças Tropicais e Infectuosas da Escola de Medicina e Cirurgia do Instituto Hanemaniano do Rio de Janeiro.

•    Ex-assistente do Professor Juvenil da Rocha Vaz, na Cadeira de Clínica Médica Propedêutica da Faculdade de Medicina da Universidade do Rio de Janeiro.

Atividades acadêmicas

•    Auxiliar de ensino, quando assistente da Cadeira de Clínica Médica Propedêutica, 1927.

•    Auxiliar de ensino prático e doutrinário da Cadeira de Clínica de Doenças Tropicais e Infectuosas, quando na regência da cadeira o Professor Carlos Chagas, 1930 a 1934.

•    Regência do Curso de Desdobramento de Cadeira de Clínica de Doenças Tropicais e Infectuosas (oficial), 1932.

•    Regência do Curso Equiparado de Clínica de Doenças Tropicais e Infectuosas (100 alunos, curso único), em 1933.

•    Regência do Curso Equiparado de Clínica de Doenças Tropicais e Infectuosas (138 alunos, curso único), em 1934.

•    Regência do Curso Oficial de Clínica de Doenças Tropicais e Infectuosas da Escola de Medicina e Cirurgia do Instituto Hanemaniano, em 1934.

•    Auxiliar do Professor Carlos Chagas no Curso de Aperfeiçoamento sobre Malária e Tripanosomiase americana, em 1933.

•    Cursos de Extensão Universitária sobre Doenças Tropicais, em 1934, 1935 e 1936.

Comissões e outras atividades

•    Viagens ao interior brasileiro (Vale do Rio das Velhas, Vale do Rio S. Francisco, Triângulo Mineiro), para estudo da Tripanosomiase americana e da Malária.

•    Viagens aos Estados Unidos da América do Norte, como secretário do Professor, 1921.

•    Carlos Chagas, para estudo da organização sanitária do país, especialmente da proíilaxia rural.

•    Viagens à França e à Alemanha, para estudos gerais de patologia, como assistente do Professor Carlos Chagas, 1925.

•    Viagens ao interior do Estado do Rio de Janeiro, como membro de uma comissão de técnicos do Instituto Osvaldo Cruz, para verificação das causas de Beri-beri no Município de Campos.

•    Trabalhos de profilaxia e tratamento da malária, durante a construção da estrada de rodagem Rio-Petrópolis, como médico da Comissão Federal de Estradas de Rodagem.

•    Delegado do Instituto Osvaldo Cruz ã 9.’ Reunião da Sociedade Argentina de Patologia Regional, Mendoza, Argentina, 1935.

•    Viagens ao norte e nordeste do Brasil, em fevereiro-março, maio-junho e novembro-dezembro de 1936, com o fim especial de estudar a Leishmaniose Visceral Americana.

•    Viagem a Resistência, Chaco Argentino, em setembro de 1936, para a investigação de casos de Leishmaniose Visceral Americana ali encontrados.

•    Comissionado pelo Instituto Osvaldo Cruz para a organização de um centro de estudos de patologia regional no norte do Brasil, em 1936.

•    Comissionado pelo Instituto Osvaldo Cruz para a organização de serviços médicos no setor norte da Comissão de Limites do Brasil, em 1936.

•    Criação do Instituto de Patologia Experimental do Norte, em novembro de 1936, como primeiro passo para a criação de diversos institutos em todo o país, articulados com o Instituto Osvaldo Cruz para a investigação científica de grandes endemias locais. Nesse Instituto, custeado pelo governo do Estado do Pará com auxílio federal, estão sendo estudados os problemas de Malária, Tripanosomiase Americana, Leishmaniose Visceral Americana e Mal de Cadeiras.

•    Cooperação com o governo do Estado de Pernambuco, para a criação da Comissão de Estudos de Patologia Experimental do Nordeste, onde foi estudado principalmente o problema da Esquistosomose, 1938 e 1939.

•    Cooperação com o Instituto Ezequiel Dias, de Belo Horizonte, para o estudo do problemas de Malária, Tripanosomiase Americana, Leishmaniose Visceral Americana.

•    Estudos sobre o Anopheles (Myzomyia) gambiae no Município de Russas, Ceará, durante os anos de 1938, 1939 e 1940.

•    Representante do Brasil no Congresso Científico Panamericano, em Washinghon, maio de 1940.

•    Membro da Comissão de Saneamento da Malária no Vale do Amazonas 1940.

Trabalhos

•    Acess AQUI  os 54 trabalhos publicados pelo pesquisador Evandro Chagas.

    Destaques